quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Sete factos sobre o plástico no oceano

O greensavres, como já nos habituou, publicou mais uma lista, desta vez foi uma lista de factos sobre um problema grave no nosso planeta, O plástico nos oceanos.

1. A maior parte do plástico está concentrado nos cinco giros oceânicos subtropitais

Os nossos oceanos não estão completamente contaminados com lixo. Embora exista em elevadas quantidades, a maior parte do plástico está concentrada nos cinco principais giros subtropicais. Fora destas zonas é raro ver plástico a boiar ou apanhá-lo em redes de pesca.

2. É difícil quantificar a totalidade do plástico existente nos oceanos

Não se sabe ao certo a quantidade de plástico existente nos oceanos e este é um dos principais problemas. Parte da razão para não se conseguir saber ao certo a quantidade é que os dados existentes são baseados no plástico que se vê a flutuar. Contudo, grande parte destes detritos são suficientemente densos para afundar, o que significa que não se sabe a quantidade exacta de plástico submerso nos oceanos. Para agravar o problema, muitos destes plásticos ao fim de um certo tempo desintegram-se por acção das condições biofísicas.

Um estudo recente, refere o Grist, aponta para a existência de 40.000 toneladas de plástico a flutuar nos oceanos, mas este valor corresponde apenas a 1% do que os cientistas esperam encontrar. A comunidade cientifica supõe que os restantes 99% ou afundam ou são ingeridos pelos animais marinhos.

3. Os projectos de limpeza em profundidade dos oceanos são ineficientes

Os oceanos são locais vastos e intrincados: só o Giro do Pacífico Norte tem quase o dobro do tamanho dos Estados Unidos. A quantidade de fundos, recursos materiais e humanos para fazer uma limpeza profunda aos oceanos seria exorbitante, para não falar das emissões de gases com efeito estufa que isso implicaria. Adicionalmente, as pequenas partículas de plástico, as mais nocivas, são impossíveis de limpar.

4. Uma das soluções para o problema é encontrar os pontos de emissão do plástico

Vários oceanógrafos consideram positiva a ideia de recolher o lixo antes de este chegar aos oceanos. Um exemplo de um sistema que desempenha esta função é a Baltimore Water Wheel, um veículo aquático que recolhe o lixo no porto de Baltimore antes que este entre no mar.

A solução é simples e pode ser ecológica se for movida a energias renováveis. Uma das tarefas que cientistas têm agora em mãos é mapear os principais pontos de emissão de lixo para o mar, como grandes portos e rios.

5. Podem ser recolhidas toneladas de lixo das praias num só dia

Os eventos de recolha de lixo em praias são bastante eficientes, embora não o aparentem ser. Uma acção de um só dia pode recolher toneladas de lixo e ajuda também os centros de conservação oceânica a identificar as fontes e os tipos de detritos que são à costa.

6. As soluções de limpeza começam em terra

Um aspecto que reúne o consenso da comunidade científica quanto à limpeza e preservação dos oceanos é que as soluções devem começar em terra. Se menor quantidade de plástico for produzido e consumido e taxa de reciclagem do material aumentar, menor será a quantidade de lixo a chegar aos oceanos. A proibição dos sacos de plástico e a eliminação das microesferas de plástico de vários produtos de cosmética é um passo positivo, mas não o suficiente.

7. Existe uma luz ao fundo do túnel para os oceanos

Os oceanos são ecossistemas extremamente resilientes e as áreas marinhas protegidas são, na maioria, extremamente bem-sucedidas. Se de alguma forma foi possível travar o fluxo de plástico para o mar, os oceanos conseguirão, eventualmente, voltar a níveis de saúde do passado.

Retirado daqui: http://greensavers.sapo.pt/2014/10/05/sete-factos-sobre-o-plastico-no-oceano/

Sem comentários:

Enviar um comentário

Agradeço antecipadamente o teu comentário, espero que tenhas gostado deste espaço. A tua Opinião conta muito para mim! Obrigada